Vale registra menor número de beneficiários do Bolsa Família em cinco anos

O governo Jair Bolsonaro (sem partido) começou 2020 atendendo o menor número de beneficiários no Bolsa Família, no Vale do Paraíba, dos últimos cinco anos.

As 81.564 famílias que receberão o benefício em janeiro, segundo dados do Ministério da Cidadania divulgados nesta segunda-feira, só superam as 78.594 famílias atendidas em janeiro de 2015.

Em todos os outros anos, o número de famílias atendidas em janeiro é maior do que neste ano: 85.375 (2019), 86.594 (2018), 82.572 (2017) e 82.648 (2016).

Na comparação com janeiro do ano passado, a região perdeu 3.811 famílias ou -4,46% do total de beneficiários, o que dá uma média de 12,9 mil pessoas pobres fora do programa em um ano.

O Bolsa Família atende famílias em situação de extrema pobreza, com renda mensal per capita de até R$ 85, e famílias em condição de pobreza, com renda por pessoa até R$ 170 mensais.

Os beneficiários recebem o dinheiro mensalmente e, em contrapartida, cumprem compromissos nas áreas de saúde e educação.

Segundo o Ministério da Cidadania, o pagamento de janeiro começou nesta segunda e segue até o dia 31. No Vale, as famílias irão receber R$ 14,8 milhões, média de R$ 181,47 por benefício.

HISTÓRICO.

No primeiro ano do governo Bolsonaro, 25,7 mil pessoas pobres foram retiradas do programa federal de transferência de renda na região.

O número de pobres fora do programa é ainda maior se comparado aos beneficiários de maio de 2019, mês com o recorde histórico de atendidos no Bolsa Família, com 91.400 famílias no Vale.

De maio do ano passado a janeiro deste ano, nada menos do que 33,4 mil pessoas extremamente pobres e pobres tiveram o benefício cancelado, uma redução de 10,76%.

OUTRO LADO.

Em nota, o Ministério da Cidadania informou que a folha de pagamentos do Bolsa Família tem “oscilações mensais de seu quantitativo em virtude dos processos de ingresso de famílias no programa, cancelamentos e manutenções dos benefícios”.

O ingresso no programa federal depende do quantitativo de famílias registradas no Cadastro Único para Programas Sociais, que atendam a todas as regras do Bolsa.

“As manutenções e os cancelamentos estão relacionados aos procedimentos de averiguação, revisão, fiscalização, desligamentos voluntários, descumprimento de condicionalidades ou superação das condições necessárias para a permanência [no Bolsa]”, informou o ministério.

EDUCAÇÃO. O Ministério da Cidadania alertou que as famílias que recebem o Bolsa Família terão que comunicar às escolas dos filhos que são beneficiárias do programa, quando a criança troca de instituição ou realiza nova matrícula. Segundo a pasta, a medida permite que as instituições mantenham as informações atualizadas, com o correto acompanhamento da frequência escolar, uma das condições para o recebimento do benefício. O ministério orienta que as famílias comuniquem as escolas até o mês de fevereiro.

Deixe comentário

× Fale com a Showtime