Tráfico de drogas arrecada R$ 9,7 milhões por mês na cracolândia de São Paulo – Showtime Rádio
Av. Dr. João Guilhermino, 261 - 2º Andar - CJ.23
Metropolitan Offices - S.J. dos Campos/SP
WhatsApp: (12) 99717-3209
Email:ouvinte@showtimeradio.com.br
MÚSICA DE QUALIDADE E JORNALISMO
COM RESPONSABILIDADE!
Telefones
(12)3936-4040
(12)3307-5689
(12)3923-3610
(12)3207-6238
(12)3307-5675

Pesquisa da Unifesp indica ainda que quase metade dos frequentadores compra drogas com dinheiro de roubos

Tráfico de drogas arrecada R$ 9,7 milhões por mês na cracolândia de São Paulo

Kaio J. pulou a mureta e mandou um beijo para a motorista parada no congestionamento. No segundo seguinte, quebrou o vidro do carro, colocou metade do corpo para dentro do veículo, pegou o telefone celular que estava no painel e saiu correndo.

Com cortes no braço e o rosto ensanguentado por conta dos estilhaços, foi detido logo adiante por dois policiais. Carregava três celulares nos bolsos. O roubo, como disse mais tarde à Justiça, tinha um propósito: trocá-los por droga.

Aos 19 anos, o rapaz de baixa estatura e corpo franzino não é uma exceção na região do centro de São Paulo que passou a ser ocupada por dependentes químicos nos anos 90 e tornou-se conhecida como cracolândia, a terra do crack.

Quase metade dos seus frequentadores (46%), de acordo com uma pesquisa da Unidade de Pesquisa em Álcool e Drogas da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), compra drogas com o arrecadado em roubos.

Realizado em dezembro, o trabalho fundamentou-se em entrevistas com 240 pessoas e promoveu contagens da população habitual do lugar por meio de aparelhos portáteis, manuseados discretamente pelos pesquisadores no bolso dos seus jalecos.

Segundo o estudo, 1.680 pessoas, em média, consomem drogas diariamente na cracolândia, que se espalha por ruas da Santa Ifigênia, do Campos Elísios e da Luz, área que no passado distante abrigou mansões e residências da alta sociedade paulistana.
Os pesquisadores concluíram também que cada um dos usuários gasta, em média, R$ 192,5 por dia com o crack. Ou seja, mensalmente o tráfico arrecada R$ 9,7 milhões ali.

O valor é maior do que o aplicado pela gestão do prefeito Bruno Covas (PSDB) por mês, em 2019, na subprefeitura da Sé (R$ 7,3 milhões, em média), a qual a cracolândia está inserida, segundo dados do Tribunal de Contas do Município.

Chamada em relatórios enviados pela polícia paulista à Justiça de “mina de dinheiro” e “de o maior ponto de venda de entorpecentes do país”, a cracolândia é controlada pela facção criminosa PCC.

Segundo os investigadores, as drogas são enviadas para a região por intermédio de pessoas que se utilizam do transporte público, sobretudo metrô, e as carregam em pequenas quantidades, em mochilas ou bolsos. De modo que, se alguém acabar preso, o prejuízo é minimizado.

A comercialização ocorre em pontos de venda montados em barracas ou tendas de lonas, o que impede a visualização externa.

Contabilizam-se 30 por dia, em média. O que não é vendido na feira das drogas acaba armazenado em hotéis, pensões e cortiços.

A grande massa de dependentes químicos, na avaliação da polícia, funciona como uma verdadeira malha protetora para os traficantes, pois torna difícil e traumática a realização de qualquer operação ali, assim como atrapalha a identificação dos criminosos.

Segundo a pesquisa da Uniad, dirigida pelo médico psiquiatra Ronaldo Laranjeira, 65,3% dos consumidores vivem e dormem quase todas as noites na cracolândia, sendo que 41,7% estão morando na rua há 5 anos ou mais.

A idade média é de 35,2 anos, 68,7% são homens e 77,5% solteiros. Em relação à origem, 49,6% nasceram na cidade de São Paulo ou na Grande São Paulo, 33,3% são de outros estados, 15% do interior e 0,8% de outros países.

Entre os fatores apontados como os principais que os levaram à cracolândia estão a “disponibilidade da droga (31,2%), a “segurança entre os pares” (20,4%), o “preço” (16,4%) e a “liberdade para o uso” (14,8%)

A maioria (87%) diz não ter atividade remunerada, sendo que 79,4% está nesta condição há pelo menos um ano e 52% há cinco anos ou mais.

Além do roubo de pessoas, os usuários também obtém renda para as drogas por meio da prostituição (35%), furto de estabelecimentos (44,4%) e como pedintes (58%).
A psicóloga Clarice Madruga, coordenadora do estudo, afirma, no entanto, que o trabalho quebra o mito de que aquela situação na cracolândia é uma consequência direta das condições sociais. “O frequentador não é, em sua maioria, um ex-menino de rua que caiu ali”, afirma.

Segundo a pesquisa, 78% moravam em sua casa ou com seus familiares antes de começarem a viver na região e 95% têm algum grau de instrução. “O que existe é uma doença que faz com que alguém inserido na sociedade caia na rua”, afirma. “A causa é o agravamento da doença”, afirma.

Um dos principais fatores para o desenvolvimento da dependência, diz a pesquisadora, é a precocidade no consumo de álcool e drogas.
Segundo o estudo, na média, os usuários que frequentam a cracolândia começaram a beber aos 11,4 anos e a fumar maconha aos 14,9 anos.

É o caso de Gilberto Z., 26, que se iniciou no mundo das drogas e do álcool ainda na adolescência. Ele estudou até o 3º ano do ensino médio. Aos 19 anos, no entanto, por conta do vício, foi preso por roubo.

Em setembro de 2015, deixou a prisão em livramento condicional e arranjou um emprego como representante comercial de uma confecção de uniformes.

Estava ainda em fase de experiência, quando, dois meses depois, teve uma recaída e passou dias longe de casa se drogando na terra do crack. No momento em que precisou de mais dinheiro para comprar pedras, resolveu que era a hora de voltar a roubar.

Com um colega, atacou um homem na rua da Consolação que, voltando do trabalho, estava abaixado amarrando o tênis. Pegaram o aparelho à força e jogaram o rapaz no chão.

Dez minutos depois foram presos. “Estou arrependido”, disse Gilberto ao juiz. Condenado a sete anos, um mês e dez dias de reclusão, mora ainda hoje numa penitenciária.

DEIXE COMENTÁRIO