Prevent Senior tem hospital superlotado e insuficiência de funcionários, diz fiscalização

A fiscalização realizada na rede Prevent Senior, de hospitais e planos de saúde, constatou superlotação no hospital da rede que cuida de doentes de coronavírus, insuficiência de funcionários para lidar com a grave crise gerada pela doença e desorganização no fluxo hospitalar.

Segundo fontes familiarizadas com a investigação ouvidas pela coluna, foram constatados, por exemplo, problemas no encaminhamento dos doentes e procedimentos a partir do momento em que eles dão entrada no hospital Sancta Maggiore com sintomas da doença.

A rede está sendo acusada por familiares de pacientes mortos de não avisá-los da natureza da doença, permitindo o convívio normal entre eles, sem indicação de isolamento, por exemplo.

A fiscalização foi feita pelas secretarias municipal e estadual de Saúde de São Paulo.

Ela foi realizada em duas etapas: a primeira, de vigilância epidemiológica, constatou os problemas.

A segunda, de vigilância sanitária, terminou na noite de quinta (19). Neste caso, a área funcionaria a contento, dentro das regras. O relatório será finalizado nesta sexta (20).

A empresa ainda não foi encontrada para comentar.

Na quinta (19), a Prevent Senior afirmou, por meio de nota, que “mantém o atendimento aos seus pacientes e parentes de acordo com a sua cultura de acolher e cuidar de pessoas. É incorreta a notícia de que a família de um paciente não tenha sido informada de seu estado de saúde.
Providências judiciais serão adotadas contra inverdades proferidas anonimamente por supostos parentes do paciente”.

A prefeitura e o governo estadual decidiram fiscalizar a rede depois que ela registrou a primeira morte por coronavírus no Brasil, de um homem de 62 anos.

A Prevent não tinha comunicado as autoridades que abrigava casos confirmados da doença e a notícia do óbito surpreendeu as autoridades.

As cinco mortes causadas pelo novo coronavírus confirmadas em São Paulo foram na Prevent Senior. Todas as vítimas eram homens idosos com doenças crônicas e moravam na capital. O caso mais recente é de um homem de 77 anos.

A empresa não respondeu a questionamentos sobre as mortes nem se há ou não funcionários entre as vítimas. Oito colaboradores da operadora estão internados em UTI.

A Prevent Senior foi fundada há 23 anos, na Mooca, zona leste de São Paulo, pelos irmãos Eduardo e Fernando Parrillo. A empresa tem uma rede de oitos hospitais, quatro pronto-atendimentos, além de uma rede de medicina avançada e diagnóstica e núcleos de especialidades.

Voltada para o atendimento do público idoso, que muitos planos querem longe, se transformou em um modelo de sucesso. Seu faturamento passou de R$ 1 bilhão em 2014 para R$ 3,5 bilhões em 2019.

Deixe comentário

× Fale com a Showtime