Mercado financeiro prevê inflação de 3,87% ao final de 2021, diz BC

Os economistas do mercado financeiro consultados pelo BC (Banco Central) revisaram para cima, pela oitava semana consecutiva, a expectativa para a inflação de 2021.

De acordo com o relatório Focus divulgado nesta segunda-feira (1º), o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) deve fechar o ano com alta de 3,87%, resultado acima da meta de 3,75% definida pelo Conselho Monetário Nacional para 2021, mas ainda dentro da margem de tolerância de 1,5 ponto percentual definida pelo órgão.

Na semana passada, o mercado apontava para uma valorização de 3,82% nos preços. Foi a primeira vez que as projeções superaram a meta do governo. Há quatro semanas, a estimativa era de alta na casa dos 3,53%.

Junto com a expectativa de uma inflação acima do centro da meta do governo, os economistas aumentaram pela segunda semana seguida a projeção para a taxa básica de juros, que agora é esperada em 4% ao ano no final de 2021. O patamar atual da Selic é de 2% e a aposta agora é de que a taxa passe a subir já neste mês.

Aumentar a taxa de juros funciona como um instrumento de política monetária para reduzir a inflação. Isso acontece porque os juros mais altos encarecem o crédito, reduzem a disposição para consumir e estimulam novas alternativas de investimento.

PIB

O levantamento feito com as principais instituições financeiras do país mostram ainda para a manutenção da perspectiva de crescimento da economia brasileira em 3,29%.

Há quatro semanas a expectativa apontava para um crescimento de 3,5% do PIB (Produto Interno Bruto), que corresponde à soma de todos os bens e serviços produzidos pela economia. Para 2021, 2022 e 2023, as expectativas de crescimento foram mantidas em 2,5%.

Deixe comentário

× Fale com a Showtime