Mercado derruba para 0,36% previsão de alta do PIB em 2022

Os analistas do mercado financeiro consultados semanalmente pelo BC (Banco Central) derrubaram, pela segunda semana seguida, as apostas de crescimento da economia e agora preveem uma alta de apenas 0,36% do PIB (Produto Interno Bruto) — soma de todos os bens e serviços produzidos no país — neste ano.

Os dados do relatório Focus foram divulgados nesta segunda-feira (3), pelo BC. Na semana passada, as expectativas apontavam para um avanço de 0,42% das riquezas nacionais. Há quatro semanas, a previsão era de uma alta na casa de 0,5%.

As mudanças das estimativas são impulsionadas pelo recente salto da inflação, pela alta das taxas de juros e pelo temor de rompimento do teto de gastos com o pagamento do Auxílio Brasil, programa idealizado para substituir o Bolsa Família. Há ainda um risco eleitoral no radar do mercado.

A nova aposta do mercado surge também em meio à 12ª piora consecutiva das expectativas para o crescimento do PIB em 2021, a ser divulgado apenas no início do mês de março. Conforme a atualização, o Brasil deve registrar um crescimento de 4,5% no ano passado, ante aposta de 4,71% feita há quatro semanas.

As pioras vão também em linha com os dados oficiais do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), que colocaram o Brasil em recessão técnica, depois de a atividade econômica recuar por dois trimestres consecutivos. As apostas são para um novo dado negativo para o período compreendido entre outubro e dezembro.

Inflação
Os analistas também apresentaram suas novas apostas para a inflação de 2021 e 2021. Enquanto a expectativa é de que o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) a ser divulgado na próxima semana mostre que os preços saltaram 10,01% no ano passado, a previsão para este ano foi mantida em 5,03%.

Na semana passada, as apostas eram que a inflação terminaria 2021 em 10,02% e, há quatro semanas, em 10,18%. A sequência de quatro revisões consecutivas é motivada desaceleração dos preços apontada na prévia da inflação de dezembro.

Caso a nova expectativa seja confirmada, a inflação chegará ao fim de 2021 perto do dobro da meta estabelecida pelo governo para o ano, de 3,75%, com margem de tolerância de 1,5 ponto (de 2,25% a 5,25%). Já para 2022, a aposta é de que o teto da meta também seja furado ao final do ano.

A expectativa para o dólar ao fim deste ano ficou mantida em R$ 5,60. Para os preços administrados, tais como energia e combustíveis e planos médicos, a expectativa é de alta de 4,61% neste ano.

Deixe comentário

× Fale com a Showtime