Indicadores sinalizam para piora do mercado de trabalho no Brasil

O IAEmp (Indicador Antecedente de Emprego) caiu 5,8 pontos em março e atingiu os 77,1 pontos. Trata-se do menor nível desde agosto de 2020 (74,8 pontos), de acordo com informações divulgadas nesta quinta-feira (8), pela FGV (Fundação Getulio Vargas).

O economista Rodolpho Tobler, do Ibre (Instituto Brasileiro de Economia), avalia que a tendência de piora dos indicadores de mercado de trabalho em 2021 são justificadas pelo agravamento do quadro da pandemia e as consequentes medidas restritivas. “O retorno para um caminho de recuperação ainda depende da velocidade do programa de vacinação e da melhorada atividade econômica”, afirma ele.

Em março, o ICD (Indicador Coincidente de Desemprego), que funciona como uma variação da taxa de desemprego, caiu aos 99,1 pontos. “O resultado sugere que a taxa de desemprego deve se manter em níveis historicamente altos no primeiro semestre de 2021 e ainda sem perspectiva de melhora no curto prazo”, explica Tobler.

A piora do ICD em março foi influenciada pelas duas classes de maior renda familiar, com renda entre a partir de R$ 4.800. O levantamento da FGV aponta ainda para a queda de todos os sete componentes do IAEmp, com destaque negativo para os indicadores de Emprego Local dos Consumidores e de Situação Atual do setor de Serviços, que recuaram 15,2 e 12,4 pontos no mês, respectivamente.

Deixe comentário

× Fale com a Showtime