Bolsonaro comemora insumos da China para Brasil fazer CoronaVac

Em meio a uma disputa de narrativas entre o governo de São Paulo e o federal sobre quem foi o responsável para convencer a China a liberar os insumos para a fabricação da CoronaVac, o presidente Jair Bolsonaro usou as redes sociais para comemorar o feito.

Praticamente um dia depois de a conta oficial de o Planalto divulgar, na integra, a carta do governo chinês confirmando o envio de insumos para a vacina contra a covid-19, o presidente postou um emoji (figura para demonstrar reações) com um aperto de mãos.

A reação de Bolsonaro se deu após o governo do estado de São Paulo, de João Doria (PSDB), afirmar que toda a negociação foi realizada pelo Instituto Butantan e pela gestão paulista desde maio do ano passado.

Doria havia contestado, por meio de sua assessoria e também pelas redes sociais, a versão do Palácio do Planalto, nesta segunda-feira.

O texto do governo paulista diz que o governo federal não teve participação na liberação de insumos chineses para a vacina. “Não é verdade o que disse o Presidente Bolsonaro em redes sociais, de que a importação de insumos da China foi uma realização do Governo Federal”, diz a nota.

“Esta negociação é continua e nunca foi interrompida, mesmo quando o Governo Federal através do presidente da República anunciou publicamente em mais de uma ocasião, que não iria adquirir a vacina por causa de sua origem chinesa. Neste período, um total de 4 lotes de vacinas e insumos foram recebidas pelo Governo de SP sem nenhuma participação do governo Bolsonaro”, afirma o governo paulista.

Nesta terça-feira (26), às 10h30, o governador João Doria se reúne com o embaixador chinês Yang Wanming no Palácio dos Bandeirantes e, em seguida, concede entrevista coletiva para detalhar a logística de importação dos insumos para o Brasil, prevista para ocorrer ainda nesta semana.

Deixe comentário

× Fale com a Showtime