Bolsonaro chama governadores de ‘exterminadores de empregos’

O presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), negou que as iniciativas de combate ao coronavírus por parte do governo tenham demorado. Em entrevista ao programa Domingo Espetacular, da Record TV, na noite deste último domingo, ele falou o surto do coronavírus no Brasil e também sobre as críticas que têm recebido do governador de São Paulo João Doria (PSDB). “Tem que lembrar que em fevereiro ele estava na Sapucaí do Rio de Janeiro”, disse, referindo-se à exposição que o governador teve com aglomerações, atitude contrária às recomendações do Ministério da Saúde e da Organização Mundial da Saúde. “Nós não podemos politizar isso”, concluiu.

Perguntando se ele teria adiado ou cancelado o Carnaval, o presidente respondeu que os governadores poderiam ter proposto isso para ele, mas não confirmou se seguiria proposta. Bolsonaro negou que tenha criticado o trabalho dos governadores e disse que é atacado constantemente por eles, que “fogem de suas responsabilidades”. O presidente disse ainda que a grande mídia o ataca da mesma forma e que “brevemente a população verá que foi enganada pelos governadores”, a quem o mandatário chamou de exterminadores de emprego. “É uma crise pior que o coronavírus pode trazer ao País”.

Sobre as favelas, Bolsonaro não comentou nenhuma medida específica para ajudar no combate do contágio da doença, a não ser “evitar a situação”. Nas últimas semanas, a Comunidade do Alemão alertou sobre a falta de água, de álcool em gel fazendo o uso de uma hashtag nas redes sociais.

Ainda na entrevista, o presidente falou também sobre os panelaços que têm ocorrido em todo o País. Bolsonaro disse não estar preocupado com sua popularidade e falou que atitude foi “incentivada” pela mídia, “endossado pela revista Veja e por outros órgãos da imprensa”.

Deixe comentário

× Fale com a Showtime