Doria renova quarentena até o dia 22 em SP

O governador de São Paulo, João Doria, decidiu prorrogar a quarentena em SP até o dia 22.

Os médicos e cientistas envolvidos nas discussões sobre a prorrogação da quarentena no estado e na capital de São Paulo recomendaram a ele a prorrogação da quarentena por um período de mais 15 dias.

Alguns especialistas chegaram a sugerir até 30 dias _neste caso, ela só terminaria no fim de abril. Mas a opinião que deve prevalecer, no momento, é a de mais uma quinzena de isolamento social.

Os números da saúde já são dramáticos: cem cidades de SP registram casos de Covid-19.

As mortes subiram 180% em uma semana.

O total de vítimas da doença em três meses chega a 275 –perto do total de pessoas (297) que foram a óbito por causa de gripe em todo o ano de 2019.

As internações de pacientes com a confirmação da doença em leitos de UTI explodiram, de 33 para 525 –um aumento de 1.500%.

“Para tentar conter o avanço dos casos, que já está lotando hospitais – somente no Hospital das Clínicas da FMUSP são 220 pacientes suspeitos ou confirmados, dos quais 110 internados em UTI -, o Governo do Estado determinou a prorrogação da quarentena por mais 15 dias em todo o Estado de São Paulo. Assim, a recomendação é que as pessoas fiquem em casa”, diz nota do governo.

Conforme projeção do Instituto Butantan, centro de pesquisas biomédicas vinculado à Secretaria de Estado da Saúde, a prorrogação da quarentena pode evitar 166 mil óbitos no Estado, além de 630 mil hospitalizações e 168 mil internações em leitos de terapia intensiva.

O governo diz ainda que a prorrogação da quarentena é importante para que “o Estado de São Paulo organize sua rede assistencial para atender aos doentes. Já foram ativados 1.524 novos leitos de UTI, em hospitais estaduais, municipais e filantrópicos. Além disso, o governo estadual prepara a implantação de um hospital de campanha, no Complexo Esportivo Ibirapuera” .

O governo afirma que, sem as medidas de isolamento, o sistema entraria em colapso.

“A redução do contágio permitiu retardar o pico de internações nos hospitais da cidade de São Paulo, que ocorreria já na primeira semana de abril se nada tivesse sido feito. Conforme projeções do Instituto Butantan em parceria com a UnB (Universidade de Brasília), haveria mais doentes por coronavírus do que leitos necessários no SUS de São Paulo, e seria preciso acrescentar 20 mil novas vagas, das quais 6,5 mil de UTI. O sistema, portanto, iria colapsar”, diz o informe do estado.

A secretaria, no entanto, alerta: o isolamento diminuiu nos últimos dias.

“Ainda conforme as informações do estudo [do Butantan], com 66% dos paulistanos em suas casas após 23 de março, houve expressiva redução de pacientes com quadros pulmonares internados em hospitais. Mas o isolamento diminuiu nos últimos dias. Em 2 de abril, era de 52,4% na cidade de São Paulo e de 51,8% no Estado”.

​Segundo dados da Secretaria de Saúde, o coronavírus mata 10 vezes mais do que todos os tipos de meningite. Até o momento são 13,7 óbitos diários, em média, por Covid-19, contra 1,3 morte/dia por meningite no Estado em 2018, conforme informações consolidadas pela Vigilância Epidemiológica Estadual.

Os serviços considerados essenciais continuam em funcionamento, como ocorreu nos primeiros 15 dias da quarentena.

O número de casos de coronavírus no Estado desde 26 de fevereiro chega a 4.620. Ao todo, mais de 400 hospitais, entre públicos e privados, notificaram casos suspeitos de coronavírus.​

Doria e Bruno Covas sofriam pressão de empresários e comerciantes para flexibilizar as meidas de isolamento social, evitando um estrago maior na economia.

Segundo ainda a pasta, entre as vítimas fatais da doença, 85,8% tinham 60 anos ou mais. Desses, 92,1% tinham algum tipo de comorbidade. Do total de pessoas, de todas as faixas etárias, que tinham alguma comorbidade e faleceram após contrair Covid-19, 69,1% eram cardiopatas, 47,1% possuíam diabetes mellitus, 16,1% apresentavam pneumonia, 12,6% tinham algum tipo de doença neurológica, 7,6% possuíam imunodeficiência, 3,1% eram asmáticos e 2,2% apresentavam doença hematológica.

O governo de São Paulo sustenta que as medidas de isolamento estão ajudando a conter a disseminação da Covid-19.

“O cenário epidemiológico de São Paulo em relação ao coronavírus é, no momento, melhor que em relação a outros países. O Estado decretou quarentena apenas 26 dias após o primeiro caso, quando havia 810 infectados e 22 óbitos. Com isso, a curva de casos apresentou tendência de achatamento”, diz o relatório da secretaria.

“Na Itália, por exemplo, a quarentena foi decretada 49 dias do primeiro caso, já com 47.021 casos e 4.032 mortes, e mesmo assim a curva de contágio continuou crescente. O mesmo ocorreu na Espanha, onde a quarentena começou 45 dias depois do primeiro caso, quando havia 11.826 casos e 533 mortes”, segue o texto.

Segundo um estudo do Instituto Butantan em parceria com o Centro de Contingência, de acordo com os dados epidemiológicos disponíveis, antes das medidas de restrição a velocidade de transmissão do vírus era de uma para seis pessoas. No dia 20 de marco, esse número caiu para 1 para 3. No dia 25 já era de 1 para menos de duas. Mas somente quando a taxa for menor do que 1 pra 1 poderá se dizer que a epidemia foi controlada.

A decisão de aumentar a quarentena segue orientação da (OMS) Organização Mundial da Saúde, da Opas (Organização Pan-americana de Saúde), do Ministério da Saúde e do Centro de Contingência do Coronavírus de São Paulo, formado por 12 especialistas, entre epidemiologistas, cientistas, pesquisadores, infectologistas e virologistas, liderado pelo médico David Uip.

Há médicos ligados às discussões, no entanto, que defendiam que a quarentena seja mais radical, de 30 dias.

Os que defendiam essa ideia acreditavam que seria melhor anunciar algo mais radical nesta segunda (6), e depois flexibilizar os prazos, se a curva de contaminação melhorar. Ou prorrogar a quarentena para maio, se ela explodir.

Há um outro grupo que acredita que uma quarentena de mais 15 dias poderia ser suficiente, sendo prorrogada posteriormente se necessário.

No fim de semana, Doria sinalizou que não pretende suavizar a quarentena ao anular decreto que permitia o trabalho interno de escritórios de advocacia e contabilidade.

Deixe comentário

× Fale com a Showtime